Folha Ubajarense » Pare, feche os olhos e veja, por Monique Gomes
Entrevistas e Homenagens

Confira as entrevistas concedidas ao Jornal Folha Ubajarense. Em breve a sessão Homenagem Póstuma estará disponível

Ibiapaba online

Notícias da Ibiapaba:Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Carnaubal

Polícia

O interior do Estado do Ceará não é mais o mesmo. Violência, criminalidade e acidentes no trânsito fazem parte da rotina

Ubajaridade

A essência de ser ubajarense permanece arraigada nos habitantes dessa cidade pacata e de clima agradável

ümor

Artigos, Crônicas, Piadas. Tudo aquilo que você não precisa saber para viver com dignidade e qualidade de vida está aqui

الرئيسة » Opinião

Pare, feche os olhos e veja, por Monique Gomes

أرسلت بواسطة Monique Gomes في terça-feira, 29 junho 2010تعليق واحد

No dia 18 de junho o mundo ficou mais burro quando o gênio José Saramago deu o último suspiro. Autor de um dos livros que mais me marcaram, encontrei um post no meu antigo blog comentando a obra, que foi tema de um filme. Vale mais o livro, deixo a dica. Segue o comentário:I 

Está em cartaz nos cinemas o Filme ‘Ensaio sobre a Cegueira’, com direção de Fernando Meirelles – e eu não vou assistir, porque o cinema está lá na capital e eu aqui… mas enfim, li o livro. O filme é baseado no livro de José Saramago com o mesmo título, uma obra que eu jamais vou esquecer.I 

A história começa com uma cena trivial: pessoas no trânsito esperando o sinal abrir. Subitamente, um dos motoristas é acometido por uma cegueira. Desesperado, ele sai do carro e pede ajuda a alguém que possa levá-lo para casa. Ao chegar, relata o acontecimento para a mulher. Minutos depois, constata que a pessoa que o ajudou se aproveitou do momento infeliz e lhe roubou o carro. Horas depois, o ladrão cega. Há uma epidemia de cegueira sem fim e uma, apenas uma mulher é capaz de enxergar todo o caos que se alastra na cidade. “A responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”.

A partir daí, ocorre o desmoronamento de tudo que uma sociedade considera como civilização. A história revela ainda uma incrível metáfora sobre a miséria e a precariedade que vive a sociedade contemporânea.“Por que foi que cegámos, Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, Diz, Penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que vêem, Cegos que, vendo, não vêem”.I 

Originalidade parece ser uma constante nas obras de Saramago. Não sei se o filme carrega a mesma característica, mas os personagens do Livro não têm nome. O autor se refere a eles como: A Mulher do Médico, A Rapariga dos Óculos Escuros, O Ladrão, O Médico, etc, o que dá mais veracidade e completude à história. “Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos”, diz uma personagem.

 

 


Pare, feche os olhos e veja, por Monique Gomes

 Jornalista socioambiental pela DW Akademie, formada em Turismo e Hotelaria pela UVA, estudante de Letras com hab. em Português pela UFPB, repórter fotográfica, redatora e Editora do Jornal Folha Ubajarense.I

تعليق واحد »

  • Arajabu said:

    Só 4 pessoas me chocaram quando partiram: Senna, Marlon Brando, meu pai e Saramago. Fiquei de luto. Era muito fã do cara. Era um grande companheiro.

FAZER UM COMENTÁRIO

Participe. Deixe seu comentário aqui