Folha Ubajarense » Dia da consciência negra, por Vigevando Araújo
Entrevistas e Homenagens

Confira as entrevistas concedidas ao Jornal Folha Ubajarense. Em breve a sessão Homenagem Póstuma estará disponível

Ibiapaba online

Notícias da Ibiapaba:Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Carnaubal

Polícia

O interior do Estado do Ceará não é mais o mesmo. Violência, criminalidade e acidentes no trânsito fazem parte da rotina

Ubajaridade

A essência de ser ubajarense permanece arraigada nos habitantes dessa cidade pacata e de clima agradável

ümor

Artigos, Crônicas, Piadas. Tudo aquilo que você não precisa saber para viver com dignidade e qualidade de vida está aqui

الرئيسة » Opinião

Dia da consciência negra, por Vigevando Araújo

أرسلت بواسطة Monique Gomes في segunda-feira, 6 dezembro 20105 تعليقات

Você já parou para pensar na violência simbólica que negros e negras de nossa sociedade sofrem? Já parou para pensar por que a cor da roupa de profissionais como médicos, enfermeiros, religiosos, etc, é o branco? Vejam que o branco em nossa cultura simboliza paz, pureza, limpeza, etc. Já parou para pensar por que a cor preta está associada ao luto, ao lado negro da força segundo o seriado Guerra Nas Estrelas, à lista negra de alguém, ou ao uso da palavra denegrir com sentido de sujar ou manchar a imagem de alguém?  Percebeu que todos esses exemplos tem uma conotação negativa? Pois bem, é dessa forma que o inconsciente coletivo expressa essa violência simbólica. Sem falar nas piadinhas que costumamos escutar rotineiramente nas praças públicas ou nos programas humorísticos.I

 De maneira sutil, assimilamos culturalmente o preconceito racial, na medida em que simplificamos os fatos históricos ou não o reinterpretamos em sua complexidade. Isto é, assimilamos eurocentricamente a História da cultura africana e sua influência na cultura brasileira de maneira simplista e sob a perspectiva do colonizador europeu. Há uma necessidade de se estudar a História e cultura afro brasileira nas Escolas de maneira profunda, com o objetivo de minimizar os preconceitos histórico-sociolculturalmente construídos. A desconstrução desses preconceitos é um grande desafio para educadores de todo o Brasil, pois o estigma do racismo ainda continua profundamente arraigado em nossa cultura. Nesse sentido, se torna importante o estudo da cultura afro-brasileira como forma de ressignificar conteúdos outrora distorcidos e simplificados.I

 Dia 20 de novembro, Dia da consciência negra, marca a morte de Zumbi de Palmares, símbolo da resistência negra. Apunhalado, resiste, mas é morto em 20 de novembro de 1695. Teve a cabeça cortada, salgada e levada ao governador. Em Recife, a cabeça foi exposta em praça pública, visando desmentir a crença da população sobre a lenda da imortalidade de Zumbi. Esse personagem dos Quilombos de Palmares, é uma figura importante no movimento de resistência dos negros contra a iniquidade desumanizadora da escravidão.  A palavra chave aqui é resistência! É justamente essa “resistência” das minorias sociais que despertam ainda hoje a consciência adormecida de muita gente que se considera inteligente, mas que ainda continua disseminando ideias e atitudes racistas! Como diz Gabriel, O pensador: “Racismo é burrice!”.I

No nosso Brasil, pluri e multicultural não há mais espaço para a intolerância etnico-racial. Toda uma forma de pensar seja individual ou coletiva é um termômetro do desenvolvimento social de um povo. Nesse sentido, educadores e educadoras de todo o Brasil tem um papel muito importante no desenvolvimento social do nosso povo que começa por mudanças de atitudes, de tolerância e apreciação das diferenças etnicas-culturais.I

 

 

Dia da consciência negra, por Vigevando Araújo, Graduado em Filosofia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA. Graduação incompleta em Teologia pelo Instituto Teológico Pastoral do Ceará-ITEP e Pós-Graduado em Psicopedagogia Institucional pela Universidade Regional do Cariri-URCA. Professor das Escolas Flávio Ribeiro Lima e Ênio Braga de Carvalho

5 تعليقات »

  • Alex Cunha said:

    sem falar no preconceito que o negro tem por si mesmo quase sempre quando fica famoso ou rico procura logo uma loira para casar

  • Dayane Rodrigues said:

    Muito bem mencionado o comentário do Alex, és aí, um ponto”X” para a questão do racismo. Percebemos que existem muitos negros que possuem preconceito consigo mesmo, ignoram sua verdadeira identidade e isso gera uma maior disseminação da discriminação racial.
    O que para mim particularmente, é uma bobagem, o valor de um ser humano está em sua essência, no seu caráter e não em seu tom de pele.
    Ao amigo Vigevando, mais uma vez, meus parabéns!Sempre nos leva a refletir sobre as questões sociais.

  • JOSÉ SOARES said:

    LENDO O ARTIGO, AGENTE SE CONSCIENTIZA DE QUE O PRECONCEITO ESTÁ MAIS PERTO DE NÓS DO QUE IMAGINAMOS. RELMENTE, O RACISMO ESTÁ MUITO ENTRANHADO EM NOSSAS CONSCIÊNCIAS E SE FAZ NECESSÁRIO UMA VERDADEIRA INVESTIDA INTELECTUAL COMO A QUE O AUTOR REALIZOU NESTE ESCRITO.

  • AGILDO SIQUEIRA said:

    CONCORDO COM TUDO QUE VC FALOU E REPUDIO, TODO E QUALQUER PRÉCONCEITO, DISCRIMINAÇÃO E RACISMO. NÓS INFELISMENTE SOMOS UM PAIS RACISTA. VEJA BEM. A ALGUNS ANOS, LI UMA PESQUISA FEITA NAS CAPITAIS, DE TODOS OS ESTADOS BRASILEIROS, QUE CONTINHA APENAS DUAS PERGUNTA: 1 EXISTE RACISMO NO BRASIL? 94% DAS PESSOAS INTREVISTADAS DISSERAM QUE SIM. 2 VOCÊ É UMA PESSOA RACISTA? 99% DAS PESSOAS INTREVISTADAS DISSERAM QUE NÂO? OU SEJA TEMOS RACISMO SIM NO BRASIL, ELE É CLAMUFADO. O QUE É BEM PIOR. POIS QUANDO NÃO SE ADIMITE UM PROBLEMA COMO ESSE, A SOLUÇÃO É BEM MAIS DIFICIL. MAS SOU OTIMISTA QUANTO AO FUTURO, ACHO QUE A SITUAÇÃO ESTA MUDANDO, POIS OS PRETOS DO BRASIL, ESTÃO SE ORGANIZANDO, EM MOVIMENTOS CADA VEZ MAIORES. POR CONTA DESSES MOVIMENTOS É QUE HOJE TEMOS O ESTATUDO DA IGUALDADE RACIAL, TEMOS HOJE AS COTAS NAS UNIVERSIDADES, TEMOS PRETOS OCUPANDO CARGOS EM SETORES NUNCA OCUPADOS, TUDO POR QUE NÃO ACEITARAM MAIS SEREM APENAS QUADJUVANTES DA SUA PRÓPRIA HISTORIA. AQUELE PAPO DE QUE “A CULTURA E O FOLCLORE SÃO MESU MAIS OS LIVROS FOI O HOMEM BRANCO QUEM ESCREVEU” NÃO CABE MAIS. UM EXEMPLO DISSO, É A CUFA, UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL, CRIADA POR JOVENS NEGROS EM SUA MAIORIA, MORADORES DAS PERIFERIAS DOS GRANDES CENTROS URBANOS E QUE COM AÇÕES SOCIO-EDUCATIVAS, MOSTRAM A CAPACIDADE QUE ESSE POVO TEM DE SE ALTO AFIRMAR.

  • AGILDO SIQUEIRA said:

    ME DESCULPEM POR OS ERROS : CAMUFLADO E EM COADJUVANTE.

FAZER UM COMENTÁRIO

Participe. Deixe seu comentário aqui