Folha Ubajarense » Encontro discute ações para audiência pública que acontecerá dia 10
Entrevistas e Homenagens

Confira as entrevistas concedidas ao Jornal Folha Ubajarense. Em breve a sessão Homenagem Póstuma estará disponível

Ibiapaba online

Notícias da Ibiapaba:Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Carnaubal

Polícia

O interior do Estado do Ceará não é mais o mesmo. Violência, criminalidade e acidentes no trânsito fazem parte da rotina

Ubajaridade

A essência de ser ubajarense permanece arraigada nos habitantes dessa cidade pacata e de clima agradável

ümor

Artigos, Crônicas, Piadas. Tudo aquilo que você não precisa saber para viver com dignidade e qualidade de vida está aqui

الرئيسة » Ubajaridade

Encontro discute ações para audiência pública que acontecerá dia 10

أرسلت بواسطة Monique Gomes في quinta-feira, 4 agosto 201124 تعليقات

Participantes do encontro para o planejamento da audiência pública. FOTO:MONIQUE GOMES

Membros do Conselho de Desenvolvimento Regional da Ibiapaba – CONDERI – e representantes de diversos segmentos da Ibiapaba, entre eles o Prefeitos Marcos Lima, de Ibiapina, e Natália Félix, deTianguá, estiveram presentes no auditório do Sine/IDT na manhã de hoje, 4, para a reunião de planejamento da Audiência Pública com a Assembleia Legislativa para viabilizar a implantação da Universidade Federal da Ibiapaba, evento que acontecerá no dia 10 de agosto no Ginásio Prof. Raimundo Ferreira de Sousa, em Ubajara, com a presença de prefeitos, deputados, senadores, estudantes, sociedade civil e imprensa.I 

O momento foi oportuno para a discussão de estratégias que serão adotadas para a realização da audiência. Uma das prioridades adotadas foi a participação do CREDE e das Secretarias de Educação dos municípios com a disponibilidade de encaminhar os estudantes para o evento, jovens do nível médio e universitários. A audiência pública discutirá a viabilidade de uma Universidade na Ibiapaba, um evento que pretende dar voz aos serranos, uma oportunidade para que os estudantes façam um relato de suas maiores dificuldades, seus desejos e anseios. Antes da audiência, que deve acontecer por volta de 8 horas da manhã, uma grande mobilização de estudantes e repórteres será viabilizada na Avenida principal de Ubajara. Uma tenda será montada para a coleta de assinaturas para o abaixo-assinado que será encaminhado para os Deputados.

 A luta pela implantação da Universidade Federal da Ibiapaba é uma iniciativa do CONDERI com a participação das Prefeituras Municipais, diversos representantes da Ibiapaba, sociedade civil – com apoio da Imprensa regional: Jornal Folha Ubajarense, Rádio Club FM de Ubajara, Jornal Correio da Ibiapaba e TV Diário.Reportagem de Monique Gomes para o Jornal Folha Ubajarense.I

24 تعليقات »

  • informativo said:

    SÓ VENDO PARA CRER! QUE UM DIA A IBIAPABA TERÁ UMA UNIVERSIDADE FEDERAL. OLHA NÃO TO QUERENDO DISISTIMULAR ESSA LUTA NÃO, MAS CONDERI NÃO SERIA MELHOR V6, LUTAREM PARA QUE O CEFETI QUE JÁ FEZ ANIVERSÁRIO DESPOIS DE CONSTRUIDO E AINDA HOJE NÃO ESTA SERVINDO PARA OS JOVENS DE UBAJARA.

  • UJEI said:

    MANIFESTO DA (UJEI) UNIÃO DA JUVENTUDE EXCLUIDA IBIAPABANA.

    Nós, jovens Ibiapabanos, de todos os lugares desta Serra Grande, saímos dos bastidores e do esquecimento e viemos a público, para dar um recado aos politiqueiros de plantão. Nos últimos meses, têm surgido rumores, movimentos e congressos, defendendo a implantação de uma Universidade Federal para a Ibiapaba. Viemos através deste manifesto, para dizer que somos contrários a esses movimentos organizados por prefeitos de alguns Municípios da Ibiapaba. Não, por não querermos, a implantação de uma Universidade na região. Que seria para alguns de nós (a exceção), uma oportunidade de aspirarmos um futuro melhor, do que o passado e o presente que vivemos. Mas por sabermos, que essa Universidade servirá apenas, para os filhos dos abastados, dos ricos e poderosos. Pois é assim em todo o país. Nas Universidades Federais do país, os corredores e salas, exalam um maravilhoso cheiro de perfumes caros e os jovens que ali freqüentam, exibem orgulhosos seus artigos importados de grife, que usam dos pés a cabeça. Os pátios dessas Universidades, mais parecem pátios de concessionárias, abarrotados de tantos carros novos, do ano. Nós, não nos vemos, nestes lugares! Vemos apenas estes jovens, filhos dos ricos, poderosos e abastados. Que receberam uma Educação de qualidade, em colégios particulares da Ibiapaba, ou quem sabem em um Luciano Feijão ou Farias Brito da vida. E quanto a nós? Nós recebemos uma educação péssima, nas escolas públicas. De professores desestimulados, que jogam todos os dias em nossas caras que ganham mal. Não só por isso. Somos também contrários a essa politicagem, pois tivemos nossa inteligência insultada, por estes governos municipais. Fomos desrespeitados! Nós somos jovens excluídos, moradores de comunidades carentes, nos sítios e nas periferias destes municípios. Somos filhos do proletariado, de trabalhadores rurais. Que carregam nas costas, com suor no rosto estas cidades, para que uma meia dúzia, de desonestos, corruptos, mentirosos, sem palavra e nem moral, possam usufruir das riquezas…. Tivemos nossa inteligência insultada. Pois sabemos que o governo federal, não tem verba nem para melhorar, ou reformar as Universidades Federais que já existem, para melhorar a infra-estrutura dos edifícios, salas de aula, auditórios, laboratórios sucateados Brasil a fora. Sabemos também que politicamente a Ibiapaba não tem força. Pois não temos nenhum filho da Ibiapaba; representando-nos na Assembléia Legislativa Estadual; nem na Câmara e nem no Senado Federal. Pois os deputados estaduais e federais e senadores; votados por nós ibiapabanos; são filhos de outros lugares do Ceará. Que vêem aqui somente em período de eleição; e compram o voto do povo através dos líderes políticos locais. Não é senhores prefeitos (as)? E por isso não se sentem responsáveis; para lutarem pelo desenvolvimento da Ibiapaba. Tivemos nossa inteligência insultado por esses governos municipais; que usam essa idéia de Universidade Federal para Ibiapaba; como pano de fundo; mas a intenção é outra. O que esses governos querem; é se aproximarem da juventude; que somam 60% dos eleitores da Ibiapaba. Alguns de nós devemos estar se perguntando. Oxe, e não é bom eles quererem se aproximar de nós? Mesmo que seja no final dos mandatos; depois de terem passado três outros sete anos de mandato sem nos enxergar; sem apresentarem políticas públicas que nos favorecesse; seja na área da educação; cultura; esporte lazer; geração de emprego e renda! NÃO. Eles querem trazer você jovens para perto deles; porque ano que vem 2012; é ano de eleição. Vejam o que a prefeita Natalia de Tiangua fez. Usou o IV Congresso da Juventude; como palanque político; disfarçado de luta por a Universidade Federal; para se promover. Mas o que eu vi; foram jovens sem nenhum motivo para ali estar. O palestrante teve muito trabalho; para atrair a atenção dos jovens; ao contrário dos grupos de dança e de música que se apresentaram no congresso. Agora o prefeito de Ubajara Ari Vasconcelos; quer fazer o mesmo. Vai usar essa idéia de Universidade Federal para a Ibiapaba; como pano de fundo e palanque político; buscando se aproximar dos jovens. Pois eles; digo a família do prefeito; pretende lançar a candidatura do sobrinho Oscar; filho do seu irmão Lindomar; à prefeito de Ubajara; com o eslogan “o prefeito mais jovem do Ceará” e cabe a vocês jovens fazerem parte ou não dessa palhaçada. Se fizer parte os palhaços serão vocês.

  • Diego said:

    Sem comentários depois de tamanha verdade

  • Pedro Henrique said:

    Rapaz,

    Seu eu conhecesse o pensador que escreveu esta manifestação eu o aconselharia a nos representar na câmara municipal! Belo texto, exprime perfeitamente meu pensamento acerca destes movimentos! Parabéns pela crítica, é deste tipo de pensadores que precisamos para fortalecer o senso crítico da sociedade ibiapabana!

  • pedro said:

    acredito que seria mais facil uma universidade estadual,caros universitarios como pemnsar em uma univeridade se mal temos uma facukdade de nivel superior com auçlas permanentesrsrsr…

  • Roberto Carlos said:

    Realmente ele tem razão em boa parte do que escreve, porém ninguém pode tomar a vaga de um vestibulando que conseguiu uma nota melhor que fulano rico ou beltrano filho de autoridade. Tem sim muito podre em tudo que se pretende fazer, mas temos que tentar pelo menos ser otimista e ajudar mesmo que seja se opondo a tal “palhaçada” conforme escreveu nosso jovem lider da UJEI,

  • UJEI said:

    Obrigado, Pedro Henrique. Mas nós os que pensamos assim, podemos ir a audiencia pública e manifestarmos nossa insatisfação com essa politicagem. Não podemos ficar omissos, deixando que esses politicos profissionais, usem a juventude Ibiapabana dessa maneira. O que o Informativo comentou também é uma grande verdade. O CEFET, já tá com quase um anos ou mais não sei precisar e até agora não começou a funcionar e quem perde somos nós os jovens.

  • Stenio Neves Gameleira said:

    ENSINO SUPERIOR NA IBIAPABA

    A luta pela implantação do Ensino Superior na Região da Ibiapaba começou por volta de 1985 com a criação da Fatec – Faculdade de Teologia Cristã, ofertando cursos livres de Teologia e Filosofia no Município de São Benedito.
    Eram tempos difíceis, pois o Brasil ainda ensaiava os primeiros passos do Processo de Democratização. Apesar do regime em vigência as IES – Instituições de Ensino Superior geralmente nasciam livres, a partir da organização de intelectuais que tinham como objetivo comum a formação educacional do povo.
    As instituições surgiam e com muito trabalho fincavam as suas bases até conquistarem a sua autonomia junto ao MEC – Ministério da Educação. Muitas dessas instituições conquistaram o seu reconhecimento após longos anos de Ação Acadêmica.
    A Fatec nasceu neste contexto até que veio a Nova LDB no ano de 1996, fruto do Processo de Democratização do País.
    A Nova LDB possibilitou grandes conquistas no Setor Educacional, entretanto a Burocratização das ações sociais e políticas se fortaleceu na mesma proporção. As IES só poderiam iniciar as suas atividades mediante Autorização do Poder Público.
    Diante do novo quadro, no ano de 1999 a Fatec é extinta e nasce a Facib – Faculdade da Ibiapaba, visando o enquadramento às novas regras que passaram a normatizar o Ensino Superior no Brasil.
    A visita do então Ministro da Educação, Paulo Renato de Sousa a São Benedito foi a Pedra Fundamental para a materialização deste antigo sonho que foi Protocolado sob o nº 23000.005792/200-12 no dia 20 de Junho de 2000 às 17:07:03 hs no MEC – Ministério da Educação – Secretaria Executiva – Subsecretaria de Assuntos Administrativos, posteriormente publicado no DOU – Diário Oficial da União do dia 27 de Novembro de 2000 – Seção 2 – Página 07 – Portaria 3.482.
    No dia 30 de Novembro de 2000, o MEC, através do DEPES – Departamento de Ensino Superior encaminha o Ofício de nº 13.803/00 autorizando a Comissão Verificadora a fazer o trabalho de Avaliação in-loco das condições de funcionamento que teve início em 24 de Janeiro de 2001 e conclusão em 27 de Fevereiro de 2001, cujo Relatório culminou no Conceito Global Final do Curso com a Classificação “B” que foi comemorado com euforia pelo grupo de educadores que iniciaram esta empreitada.
    A partir disto a tão sonhada Autorização que deveria ocorrer impreterivelmente até o dia 27 de Março de 2001 não aconteceu. Esperado 120 dias a Facib iniciou as suas atividades e até hoje aguarda que o MEC formalize o pleito que deveria ter ocorrido no ano de 2001. Os 10 anos que se seguiram foram marcados por intensas perseguições materializadas sob a forma de denúncias caluniosas, de cunho notadamente político. Situação inaceitável num País que dava os primeiros passos rumo a Democracia.
    A verdade é que a Facib ao longo desses anos, ofertando apenas 1 Curso, já Graduou cerca de 9.473 alunos em ações conjuntas com a Urca – Universidade Regional do Cariri e UCB – Universidade Castelo Branco, amparada pelo Parecer 313/2002 que foi reexaminado pelo Parecer 202/2003 homologado finalmente pelo Ministro Tarso Genro do MEC – Ministério da Educação, devidamente publicado no DOU – Diário Oficial da União do dia 13 de Abril de 2004 – Seção 1 – Página 07 – Portaria 978.
    A luta não acabou e até hoje implementamos ações individualizadas junto ao MEC para regularizar a situação da Facib e muitas são as promessas de solução.
    O que falta mesmo são ações sociais e políticas favoráveis, capazes de combater com o mesmo vigor as ações contrárias ao processo de inclusão universitária de uma região com grande potencial de desenvolvimento.
    O que temos aqui é um breve relato do que poderá se tornar o embrião experimental da futura Universidade da Ibiapaba, que abrirá as portas para o ingresso e surgimento de outras instituições, transformando a região num pólo universitário.

    Stenio Neves Gameleira
    Diretor Geral
    FACIB – Faculdade da Ibiapaba

  • Monique Gomes (author) said:

    UJEI: Rapaz, eu não me incomodo nem um pouco com os ricos e abastados nas universidades, nem com quem pode andar num carrão importado, óia. Uma universidade federal é gratuita e só estuda lá quem passou no vestibular, não é isso não? A conquista da universidade está partindo dos ibiapabanos e não dos políticos. A união dos prefeitos da região é importante porque eles são os reprentantes das cidades, por mais que alguém possa ter problemas pessoais com o prefeito de sua cidade, é preciso ter uma visão mais profissional. Os políticos não devem ser vistos como inimigos, mas como possíveis parceiros – mesmo que seja para que ele se aproveite da situação como você diz, mas que FAÇA pelo coletivo. Temos que reconhecer o trabalho das pessoas que lutam pelo coletivo, como Stenio, Diretor Geral da Faculdade da Ibiapaba, relatado aqui

  • Francivaldo said:

    Caro Stenio. É verdade mais a história da Universidade na Ibiapaba foi antes de 1985. No mandato do Senhor Eudes Soares Cunha que equipou um escola de Ubajara para receber um campus da UECE. que até vestibular teve. mais não sei porque não deu certo… Só sei que a culpa não foi do prefeito da época nem tão pouco da prefeitura de Ubajara que deu todo o apoio logistico para a Uece. Mais caro Stenio e Monique é um sonho . Pois a nossa região tem suporte para tal evento. Juntos todos unidos em prol de um emprendimento que será o maior da hisória.

  • UJEI said:

    Eu me incomodo Monique, pois sei que os seus alunos do Pro-Jovem, assim como boa parte dos alunos de escolas públicas, não teem condições de disputarem com os filhos dos ricos em um vestibular, uma vaga em um curso superior, já que o ensino ofertado a ele é fraco, mediucre e covarde que só o prepara para ser mão de obra escrava. Vc diz que a LUTA por essa universidade está partindo dos ibiapabanos e não dos políticos e eu digo que não é verdade. Pois eu não conheço nenhum movimento popular que estar engajado nesta LUTA a não ser pessoas como o Stenio que ganha ou ganhou grana, com a FACIB que era uma instituição privada, que a primeira turma de formandos nem sei se teve sua formatura reconhecida, e o CONDERI que não passam de uma bando de pela-saco de politicos. Palavras suas: “Os políticos não devem ser vistos como inimigos, mas como possíveis parceiros – mesmo que seja para que ele se aproveite da situação como você diz, mas que FAÇA pelo coletivo. “ Quanta incoerencia, faz-me rir!

  • tomas Filho said:

    A educação é a principal arma que a maioria dos políticos não quer ver nas mãos dos brasileiros porque depois disso ficará difícil enganar ou corromper alguém. O que temos a fazer neste exato momento é deixar de lado o desacreditar ou duvidar e corrermos atrás do tempo perdido, pois eu vejo a serra da Ibiapaba uma escrava que ganha dinheiro com muito suor para que outras regiões ganhem o mérito. O maior exemplo disso é o turismo que está esquecido. A educação gratuita através de uma universidade federal irá proporcionar a esta região um avanço incalculável que trará junto o bem estar de quem precisa de verdade da educação. Devemos ter como meta a chegada desta universidade e mostrar para a maioria dos que estão no poder que quando o povo quer ninguém atrapalha. E deveríamos também sugerir como disciplina nesta universidade um curso de politicas publicas para que comecemos a banir da politica pessoas despreparadas e sem a mínima noção do que estão fazendo. Neste encontro do dia 10 na próxima quarta-feira, em Ubajara, vamos com tudo, porque se deixarmos escapara essa chance daqueles que nos representam em tantas esferas do poder sair daqui sem nenhuma impressão, ai o erro é realmente nosso. A imprensa do Ceará estará em peso aqui e nada melhor que mostrar para todo o estado como estamos desejando uma universidade federal. Em qual cidade ela deva ficar isso será com os técnicos que deverão ver com mais critérios as condições das cidades. E vamos deixar o partidarismo, a politicagem de lado, vamos à busca da educação e se não nos unirmos não teremos a força necessária para alcançarmos nosso ideal, a universidade federal da Ibiapaba. Forte abraço a todos deste amigo de vocês: Tomas Filho.

  • Monique Gomes (author) said:

    Caro UJEI INFORMATIVO: Eu fui estudante de escola pública, pois meus pais bancavam a faculdade de medicina para minha irmã e não puderam me colocar em uma escola particular. Naquele tempo, as escolas públicas não eram boas como são hoje, mesmo assim eu passei no vestibular duas vezes, uma pra Turismo e outra para Letras, curso que ainda estou concluindo. Passei porque estudei, mérito meu. Desigualdade social é fato. Não se revolte com a sociedade inteira caso você não passe no vestibular. Apenas dê o melhor de si e estude mais. Eu observo que você tem uma implicância terrível contra pessoas que fazem pelo coletivo mas que recebem por isso, não entendo o motivo, pois as instituições existem para isso. Com toda certeza você teve uma infância muito difícil e na fase adulta, quando percebeu o quanto a vida é uma selva, se revoltou com o mundo. Mas é preciso descomplicar.

  • Agildo Siqueira said:

    Eu entendo em parte, a indiguinação desse UJEI. E concordo também em parte, com o que ele diz. Mas vejo que os jovens da Ibiapaba merecem essa oportunidade. Então vamos lutar para conquistarmos esse sonho, lembrando que o caminho para realiza-lo é longo e cansativo, que a audiencia pública é mais um passo nessa caminhada.

  • UJEI said:

    Eu também fui estudante de escola pública, porque meus pais não puderam me dar uma educação melhor em um colégio de ensino privado, mas como você eu também não fui regra, fui exceção. Sou formado no curso de ciências políticas e ainda passei para outros dois cursos: geografia e história, mas não pude concluí-los. Sei que a escola pública de hoje, é bem pior do que no meu tempo e talvez no seu, aonde éramos obrigados a aprender, por conta da metodologia, enquanto que hoje os alunos são desestimulados, pois o que interessa para os governos são os resultados, as metas e não ensino de qualidade. Pois como eu já disse e torno a repetir, para eles o interessante e formar um cidadão mediano, para ser mão de obra escrava em suas empresas, ou mão de obra qualificada como a maioria dos universitários de hoje. Desigualdade social é fato sim, mas não é por isso que vou ser omisso e cruzar os braços. Quanto as suas percepções sobre mim, continuam erradas. Eu não tenho implicância com ninguém, apenas detesto hipocrisia. Acho que todo mundo deve receber por seu trabalho, esse papo de filantropia é papo furado. Mas sejamos honestos com as outras pessoas, faço meu trabalho porque preciso da grana e não por um motivo especial (porque penso no coletivo) como o Sr. Stenios e outros tantos. Agora deixa eu te mostrar minha percepção sobre você: Há alguns meses atrás alguém comentou um texto seu, até mesmo fora do assunto, veja : agildo siqueira said: Monique vc ta sabendo do IV Congresso da Juventude, que será realizado em Tianguá, nos dias 27 e 28 deste mês, e que tem como objetivo, buscar apoio para se trazerpara a Ibiapaba, uma Universidade Federal. Não seria interessante, fazer uma matéria, no Jonal Folha Ubajarense?
    Agora veja sua resposta, como você não dá à mínima importância: • Monique Gomes (author) said: Caro Agildo, eu ouvi um carro de som falando desse evento quando eu estive ontem em Tianguá. Deve ser um encontro bastante proveitoso, (no entanto eu estou em busca de patrocínio que possa viabilizar as despesas do jornal) e isso pode ser que demore um pouco. Obrigada pela sugestão de pauta e sempre que você souber de algo, me avise, eu agradeço.
    Lembrando que esse congresso mencionado tratava da mesma luta que hoje você defende com unhas e dentes, a UFI. O que será que mudou né? Monique você é uma mercenária nessa luta? Você só ta nessa, porque o Conderi pagou você ou eu estou enganado? Passar bem.
    Ah, tive uma infância maravilhosa, uma adolescência bem louca, e hoje na fase adulta, vivo muito bem obrigado. Nessa selva eu sou leão.

  • Monique Gomes (author) said:

    Hipocrisia que eu conheço tem outros significados e não o de ser remunerado por fazer algum trabalho pela coletividade. Só Gandhi ou Madre Tereza de Calcutá, esses já se foram. Você critica tanto as pessoas que estão aí fazendo a diferença no mundo, e vc? O que você tem feito além de criticar? Ninguém está me pagando para cobrir a matéria da universidade, estou trabalhando nisso porque é uma causa justa. Não fui ao evento em Tianguá porque estava visitando os comerciantes e desenvolvendo os banners na coluna de publicidade do site. Eu estava fazendo isso para manter o jornal folha ubajarense ativo, para os leitores, para a população de ubajara, para a região, para os ubajarenses que moram fora da cidade, vc sabe o que é isso? Você tem ideia do que é passar uma manhã ou uma tarde inteira numa reunião, fotografando, anotando as informações, e com um gravador de voz nas mãos pronto para registrar uma fala – e depois, chegar em casa, escolher as imagens, editar cada uma, ouvir o áudio do gravador, transcrever o áudio do gravador para o editor de textos, redigir a matéria, fazer a correção e depois publicar para que todos possam tomar conhecimento? Pelo menos um dia completo de trabalho é necessário para isso. Pessoas como você tem raiva de tudo e de todos, isso causa cegueira.

  • Vigevando said:

    Discordo do Sr. UJEI quando afirma que a escola pública do passado é melhor do que a de hoje! Sou professor da escola pública e também fui aluno. Em 1997 quando era aluno da Escola Waldemar Alcântara, cursando o 1º Ano do Ensino Médio, lembro-me que não tinha sequer livro. Tudo era copiado do quadro! Hoje há um maior investimento nesse quesito! E cada vez mais só aumenta a exigência para ser professor. Mas reconheço que precisa de um maior investimento na educação, a fim de que melhore ainda mais a sua qualidade. É importante que se lute, sem pessimismos, sem conformismos, a fim de que avancemos ainda mais no desenvolvimento da nossa Ibiapaba!

  • gabi said:

    fui participar da mobilização pela UFI, e que vergona ubajara!
    sou universitária ,vou sim para sobral todos os dias ,quero igual ou mais que todos os universitários que a serra da ibiapaba ganhe esse presente!
    mas isso tem que ser pra ontem!
    ubajara tu tens tantos estudantes e onde andava no dia 10/08/2011 ás 08:00 da manhã que estavas a lutar pelo teu direito?
    senho secrettaria de educação, pq não mobilizou seus alunos para esse evento historico?
    sr. prefeito onde estava seus funcionários trabalhando em um cubiculo que muitos chamam de secretaria?parabéns….vc deveria ter obrigados todos a participarem dessa ação! fazendo uma passeata pelo menos pois ubajsara estava sediando o eventa!
    faltou pulso,articulação,liderança!sou ubajarence e como vcs só quero orgulhar-me da minha cidade! que hj me envergonhou!
    ah!sr. vereador “musquito”,tenhga dó,,,,tenha mais visão de mudança e deixe de ser tão infantil nos seus relatos de piedade na camara!

  • agildo siqueira said:

    UJEI eu não lhe autorizo a usar meu nome ou o queeu conmento em seus discursos.

  • UJEI said:

    Caro Vigevando, quando eu digo que a escola pública hdo pássado era melhor do que a de hoje, não me referia a questôes estruturais, mas de metodologia, do compromisso dos mestres com o seu aluno, ao contrário de hoje que só pensam em melhores sálarios. Monique leia novamente o que escrevi pois eu não chamo ninguém de hipocrita, por receber por seu trabalho. Digo que tais pessoas são hipocritas, quando tentam demosnstrarem que teem virtudes, ideais e sentimentos em prol do coletivo, quando na verdade, só estão querendo se destacarem (aparecerem) . Quanto a audiência pública, realizada hoje nesta cidade, aconteu o que eu já esperava, um festival de gente querendo se promover através dessa demagogia que chamam de UFI.

  • Ubajarense said:

    fico muito feliz quando vejo uma boa discussão,isso chama se democracia,colocarmos para fora tudo que achamos sem medo de sermos repreendidos e presos.

  • INFORMATIVO (UJEI) said:

    Devido as desconfianças erroneas do Sr. Tomas Filho, segundo o que eu ouvi hoje no seu programa de rádio ação no ar. Achando ele que quem estar postando os comentários, usando os pseudóminos Informativo e UJEI é algum empresário de Ubajara, que não é pois sou funcionário público. Resolvi não mais postar nenhum comentário, para que nenhum inocente venha ser prejudicado. AGORA DIGO AOS LEITORES DESSE JORNAL: SE OS SENHORES(AS) QUISEREM LER TEXTOS, QUE FALAM DA SITUAÇÃO CAOTICA DO NOSSO MUNICÍPIO. ACESSEM O MEU BLOG. http://informativodedonaferida.blogspot.com/

  • INFORMATIVO (UJEI) said:

    Ah, só mais uma coisa. Gabi vc sabe o porque de tudo isso que você estar reclamando ? O organizadores dessa demagogia que alguns deram o nome de audiência pública, não contaram para vcs universitários, é que o primeiro requisito que o MEC faz, a uma região do país que quer receber uma Universidade Federal tem que preencher, é que na região solicitante já exista um campos de uma faculdade Federal. E aqui no Ceará, como o Ilustre deputado Moesio Loiola lembrou, é Sobral e Juazeiro do Norte. E os organizadores ouviram isso do deputado estadual Ivo Gomes, que era bom que se fizesse a audiência, mas que eles não contassem com a Universidade, pois a Ibiapaba não tinha organização e nem infra-estrutura para tal sonho.

  • Stenio Neves Gameleira said:

    FACIB – FACULDADE DA IBIAPABA

    Se nós não podemos ter uma Universidade Federal ou Estadual, será que não valeria a pena investir numa instituição privada em nossa região. Na verdade não precisamos de investimento financeiro, pois o que necessitamos mesmo é de investimento no sentido de apoio político.

    A Facib – Faculdade da Ibiapaba apesar de ter solicitado ao MEC – Ministério da Educação o seu devido credenciamento e autorização, ainda se mantém com o Parecer 202/2003 do CNE/MEC que possiblita a realização de aproveitamento e convalidação de estudos para fins de diplomação de seus alunos.

    Atualmente mais de 12.000 (doze mil) alunos já foram beneficiados através da diplomação por outras faculdades e universidades que apoiam esta iniciativa. Aguardamos até hoje o apoio de algum prefeito interessado em ajudar a implantar a nossa sede permanente em algum prédio desocupado em qualquer cidade da Ibiapaba, quem sabe no futuro o Governo Federal ou Estadual possa assumir a entidade como aconteceu com outras universidades que no inicio eram privadas.

    Prof. Stenio Gameleira
    Diretor Geral
    Facib – Faculdade da Ibiapaba

FAZER UM COMENTÁRIO

Participe. Deixe seu comentário aqui