Folha Ubajarense » Cadê Belchior?, por Clarindo dos Santos
Entrevistas e Homenagens

Confira as entrevistas concedidas ao Jornal Folha Ubajarense. Em breve a sessão Homenagem Póstuma estará disponível

Ibiapaba online

Notícias da Ibiapaba:Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Carnaubal

Polícia

O interior do Estado do Ceará não é mais o mesmo. Violência, criminalidade e acidentes no trânsito fazem parte da rotina

Ubajaridade

A essência de ser ubajarense permanece arraigada nos habitantes dessa cidade pacata e de clima agradável

ümor

Artigos, Crônicas, Piadas. Tudo aquilo que você não precisa saber para viver com dignidade e qualidade de vida está aqui

الرئيسة » Opinião

Cadê Belchior?, por Clarindo dos Santos

أرسلت بواسطة Monique Gomes في quarta-feira, 14 outubro 2009تعليق واحد

belchiorCadê Belchior??? Seria melhor perguntar: Cadê a nossa música???I

 A recente campanha da imprensa à procura do nosso conterrâneo, o cantor e compositor Belchior, me levou a refletir sobre o atual quadro da nossa música nordestina e mais especialmente sobre a gloriosa musicalidade do cearense.I

 Conclui que depois do surgimento de Belchior, Ednardo e Fagner nenhum outro cearense conseguiu ter grande destaque dentro da MPB. E olha que esses três surgiram no final dos anos 1970. Já se vão quase 40 anos… e nada! Nenhum conterrâneo de José de Alencar “estourou” nas paradas de sucesso com música de qualidade, e com potencial para figurar entre os grandes nomes da música nacional. Ou estou enganado?I

 Pelo que minha memória pessoal registra, nós tivemos sim alguns fenômenos repentinos. Marquinhos Moura (anos 1980) com o seu meloso “Meu Mel”; Tiririca (anos 1990), mais humorista que cantor, e sua “Florentina”. Fora isso, nenhuma novidade interessante…I

 Já no cenário nordestino, nos últimos dez anos tivemos algumas novidades. Chico César (hoje já meio apagado!), Zeca Baleiro, Lenine… Quem mais? O que será que acontece com a nossa música, que não consegue emplacar nomes de peso no cenário artístico nacional como antigamente? Podemos ensaiar alguns motivos e/ou atenuantes:I

 Um. Hoje em dia há uma aposta em mercados locais e regionais. Ou seja, os artistas procuram consolidar suas carreiras mais focados em seus próprios estados e macrorregiões; e o “sul maravilha”, embora desejável, já não é o grande foco. Dois. A grande mídia parece ter escolhido alguns nichos que lhe são mais afeitos e só divulga a quem se enquadre no que ela previamente determina como aceitável do ponto de vista mercadológico.I

 Fico com a segunda hipótese. Do Nordeste, a mídia tem aceitado divulgar e tornar merecedor de destaque apenas os baianos e baianas que cantem “axé”, e qualquer outro artista ou banda daqui que tenha vocação para o forró (???) eletrônico de duplo sentido. Fora isso, qual outro estilo musical vindo do Nordeste tem feito sucesso nos palcos globais? Não me lembro de nada!I

 Ou seja, é do Nordeste e quer fazer sucesso no cenário nacional? Cante e rebole no tal “axé” ou crie uma banda com nome ridículo para destilar letras com duplo sentido num ritmo que se possa classificar como “forró” simplesmente por alguma semelhança e pela introdução de alguns acordes de sanfona. Ah! E no meio da gravação de todas as músicas, é preciso dizer qual é a banda que está cantando e qual é o volume (1, 2 ou 3…).I

 Cadê Belchior? Estava no Uruguai. Só falta agora ele voltar a gravar, com participação especial da Cláudia Leite, e com o acompanhamento da Calcinha Preta, numa regravação de “você não vale nada, mas eu gosto de você”.I

 

clarindo

Educador, Escritor desde a juventude com textos publicados em revistas e livros como autor ou colaborador. Atualmente mora em S. João do Piauí, onde trabalha no Projeto Dom Helder.I

تعليق واحد »

  • agildo siqueira said:

    O Belchior estar fazendo o que outro icone da nossa popular música brasileira fez (Tom Zé) buscando reconhecimento da sua obra fora do Brasil, já que aqui não era reconhecida por a imprensa, nem por gravadoras. parece que estar gravando sua obra em casteliano.

FAZER UM COMENTÁRIO

Participe. Deixe seu comentário aqui